Analytics

menu

Image Map

segunda-feira, 13 de abril de 2015

"Não sabia que era errado", diz mulher que teve seis filhos com o próprio pai no Acre

Foto: G1
Resgatada há três anos pela polícia em uma comunidade do Norte do país, a dona de casa Júlia Pinheiro Chagas tem seis filhos, frutos de uma relação incestuosa que manteve por anos com seu pai, João das Chagas Ribeiro Mourão, 66. 



Há dois anos, ele cumpre sentença no regime fechado pelos crimes de estupro, atentado ao pudor, sequestro, constrangimento à mulher e crimes contra a assistência familiar, configurado pelo abandono intelectual.

Júlia vive com a ajuda de Aluguel Social, oferecido pela prefeitura da cidade em que vive com os seis filhos. Em entrevista ao G1 Acre, a dona de casa contou que engravidou oito vezes do pai. " “Eu engravidei oito vezes, mas os dois mais velhos morreram. Eu não sabia que era errado, não entendia nada disso. Só percebi que tinha algum problema quando meus filhos começaram a ter deficiência, sabia que eles não eram normais”, contou.

Deficiência motora, descamação na pele e muitos transtornos de sociabilidade afetam as crianças, que têm entre onze e cinco anos de idade. De acordo com a mãe delas, o pai/avô costumava agredi-las e, por isso, as crianças não demonstram saudade dele, que nunca recebeu uma visita no presídio onde encontra-se custodiado. 

"Eu penso em procurá-lo para que ele possa ver as crianças, porque quando ele foi preso, nossos filhos eram todos bem pequenos. Tive muita raiva dele, mas agora estou tentando esquecer. Posso até perdoar, porque quem quer o perdão, perdoa", desabafou. 

Em entrevista ao G1 Acre, ela contou ainda que enquanto viveu com o pai não manteve contato com ninguém e também não contava às outras pessoas que ele era seu pai, a pedido dele. 

Outro lado 
De acordo com o produtor rural João das Chagas Ribeiro Mourão, Júlia não é sua filha de sangue. A informação teria sido dada pela mãe da mulher, que  à época informou que o pai de Júlia morava em outra cidade. 

Mesmo com a alegação, não há documentos que provem que não há ligação sanguínea entre os dois. Desde o acontecido, Júlia não tem mais contato com a mãe e nem sabe se ela está viva. Segundo a Delegacia da Mulher, que presidiu o inquérito,  o endereço da mãe de Júlia está registrado como indeterminado.

João conta que passou a se interessar pela filha quando ela tinha 20 anos. Porém, ele alega que os anos vividos com a filha foram com o consentimento dela. “A culpa que eu tenho, ela tem também", afirmou. Ele alega que não sabia que era errado viver maritalmente com a própria filha e ressalta ainda que casos assim eram comuns no seringal onde eles moravam.

O produtor rural cumpre uma sentença de 22 anos de prisão e para poder passar para o regime semiaberto, deve ficar oito anos e oito meses no fechado. 

Fonte: Correio 24Hs
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...