Analytics

menu

Image Map

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Servidores do Estado têm perda salarial em mais de 18%

Foto: Reprodução
Cálculos realizados pelo Sindicato dos Servidores da Fazenda do Estado (Sindsefaz), apontaram perda salarial de 18,16% para os servidores públicos da Bahia que entram em sua data-base, em janeiro. O percentual inclui a inflação de 2015, medida pelo IPCA (10,67%) e os resíduos de 2013 a 2015, quando o governo iniciou sua política de parcelamento do índice de reajuste. Em 2013, a perda foi de 1,85%. No ano seguinte foi de 1,88% e agora em 2015 foi de 2,90%.

“Os resíduos acumulados são referentes aos meses nos quais os servidores não perceberam o percentual total da inflação do ano anterior”, informa o diretor de Organização do Sindsefaz, Claudio Meireles. Para entender, em 2015 teria que ter sido aplicado 6,41% nos salários de todos os servidores a partir de janeiro. Só que o governo aplicou 3,5% em março e 2,81% em novembro, o que gerou um resíduo de perda de 2,90% em desfavor do funcionalismo.

As perdas acumuladas pelos servidores chegaram em dezembro/2015 em 18,16%, exigindo um reajuste deste percentual para zerar o prejuízo que vêm amargando a partir de 2013. Porém, os funcionários estaduais estão apreensivos.Isso porque, pelaimprensa, o secretário da Fazenda, Manoel Vitório, anunciou que o funcionalismo não vai ter reajuste em 2016.

A Fetrab (Federação dos Trabalhadores Públicos do Estado da Bahia) e os sindicatos filiados, incluindo o Sindsefaz, já solicitou ao governo a convocação da Mesa Central de Negociação para tratar o assunto, uma vez que o governo não oficializou a informação repassada pelo secretário Manoel Vitório pela imprensa. As entidades, que organizaram um protesto durante o cortejo do Bonfim, prepara nova manifestação para a segunda de carnaval, durante a saída do bloco popular Mudança do Garcia.

“As entidades sindicais não aceitarão reajuste zero, ainda mais em um momento em que a inflação não está controlada e as incertezas são grandes na economia”, acrescenta Meireles. Ele diz que as perdas são de 18,16% agora em janeiro, mas à medida que os meses forem passando, o percentual vai crescendo com a alta de preços do ano de 2016.

“Reajuste nos preços de alimentos, remédios, combustível, escola particular, plano de saúde, energia, entre outros, não espera o próximo ano chegar para ser efetivado. São aumentos que já serão suportados até a próxima data-base. Não temos como ficar sem a reposição passada neste momento”, completa o sindicalista.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...