Analytics

menu

Image Map

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Opinião: “Eu odeio livros!!” – Parte 2

Foto: Ilustrativa | De Frente com os Livros
Por Sergio Marcone Santos
No artigo anterior sugeri alguns motivos alegados por nós para não lermos livros. Falta de tempo e dinheiro foram alguns dos argumentos refutados nele.

Pois bem. Penso, sem exagero algum, que uma bula de remédio hoje diz mais aos seres humanos do que a literatura. Aquele processo de rever os movimentos (aqui, num sentido pendular) sociais e históricos do passado, de ver uma Alta Cultura respeitando-a e fazendo dela um paradigma não são mais apreciados  pelo homem contemporâneo. Sim, para ele, ele se basta e nunca houve passado de glória nem épocas de ouro na humanidade. O melhor é e está no agora. A História, para esse homem, começou há pouco. O retrovisor não existe. Enfim, tudo se resume a uma palavra: disruspção (ruptura, rompimento).

Some-se a isto, o fato de cada indivíduo compor sua história a partir das redes sociais. Um passeio por uma dessas redes equivale a “ler” contos, novelas, romances etc. de vários gêneros tal a quantidade de temas, cada um gerando os mais diversos sentimentos: passamos fácil da bipolaridade para a poli-polaridade  com um simples rolar da tela. A própria transmutação da vida real para a virtual já corresponde à ficcionalização do ser. 

Cada um de nós representaria um personagem dentro de um roteiro enorme e sem fim, muito mais do que as hoje simples “Mil e uma noites”. Ora, se minha vida está contida numa história de ficção, logo hei de prescindir das Donas Flores e Diadorins espalhadas por aí. Eu não só narro minha vida (selfies, emojis, onde estou, para onde vou, como está meu humor etc), como dou destinos afins a ela, incorporando plot twists (luto, fotos de flagras, “em um relacionamento sério com...” etc.) ao meu bel prazer e ao da minha audiência. Likes e compartilhamentos são muito bem vindos. Interessante lembrar que a maioria dos filmes que concorreram ao Oscar nos últimos anos foi “baseado em fatos reais”. Vamos ao cinema fazendo um exercício dialético com o que nos transformamos nas redes sociais. Aqui somos avatares. Lá, no cinema, gozamos com simulacros da vida real oriundos da própria “vida real” real. Nunca “A rosa púrpura do cairo” (de Woody Allen), no qual o galã sai da tela e namora a moça ingênua, foi tão atual.

Outro fator que faz sucumbir o amor pelos livros é que todos hoje têm voz, têm opinião, em suma: todos entendem de tudo. Mais uma vez, aqui, prescinde-se das obras que versam de física quântica, de motores de avião e da cópula do aedes aegypty. Com a “ascenção do medíocre” qualquer assunto pode ser tratado, debatido e, muitas vezes, gerado discórdia a partir das opiniões “sem contexto e sem retrovisor”, ou seja, sem uma dialética necessária ao bem pensar. Surgem aí enxurradas de achismos, de um galo que se ouviu cantar não se sabe aonde, mas que possui um peso igual à opinião de quem tenha se debruçado uma vida inteira sobre determinado assunto. E se a prerrogativa de ser um entendido de verdade for invocada, não se espante se surgir uma acusação de “preconceituoso”, de que “não respeita a opinião de minorias” e, por fim, o que equivale ao novo xingamento da mãe: “reaça!!”.

Como diria o poeta e músico Duda Brandão, “de nada vai adiantar o seu Carlos Drummond” quando a circunstância requerer um saber ou até uma simples citação, pois todas as opiniões hoje possuem um mesmo valor. Igualdade da mediocridade, finalmente, para todos.   

Jose Ortega & Gasset no seminal “A rebelião das massas” nos diz que “em política, em arte, nos usos sociais, em outras ciências, [o especialista] tomará posições de primitivo, de ignorantíssimo, mas as tomará com energia e suficiência” (1930, 2002, p. 146, grifo meu). Esse “especialista” é justamente aquele que, por exemplo, é designer, mas que se sente mui à vontade em ir às profundezas das análises políticas ou do Brexit etc., brigando, combatendo, (in)transigindo, sem sentir a mínima necessidade de recorrer ao que já fora ou é escrito sobre esses temas. “Não preciso ler jornais, mentir sozinho eu sou capaz” dirá, esquecendo-se de que o niilismo proposto por Raul Seixas é para um Raul Seixas, não para meros mortais.

Ainda leio livros. As bulas só quando preciso.

Sergio Marcone Santos é formado em Letras Vernáculas pela UEFS e pós graduando em Comunicação em Mídias Digitais pela Unifacs

*As opiniões emitidas em artigos assinados no site Diário da Notícia são de inteira e única responsabilidade dos seus autores.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook