Analytics

menu

Image Map

sábado, 16 de junho de 2018

Feira: "O Processo de Cassação da Rádio Cultura" tem lançamento em 13 de julho

Foto: Divulgação
A Fundação Municipal Egberto Costa está convidando para o lançamento do livro "O Processo de Cassação da Rádio Cultura", organizado pelo jornalista e memorialista Dimas Oliveira. O local do evento será a Biblioteca Municipal Arnold Silva, na sexta-feira, 13 de julho, às 19h30.

A data lembra os 44 anos em que foi levada ao ar - em 1974 - a entrevista do então deputado federal Francisco Pinto, feita pelo radialista Lucílio Bastos, quando o parlamentar reiterou críticas ao presidente do Chile general Augusto Pinochet, presente em Brasília para a posse do presidente Ernesto Geisel. As palavras foram consideradas ofensivas ao chefe-de-estado de nação estrangeira.

O diretor presidente da Fundação, Antônio Carlos Daltro Coelho, considera "importante o resgate da memória do episódio político". Coelho é citado no livro, pois foi um dos poucos feirenses que visitou Chico Pinto na prisão. Na época, ele era vereador.

O livro é uma edição do Núcleo de Preservação da Memória Feirense, órgão da Fundação Senhor dos Passos, do qual Dimas Oliveira é integrante. Tem apoio de empresas feirenses. A impressão é da Samp Gráfica Editora.

"O Processo de Cassação da Rádio Cultura" é uma compilação das peças do processo que resultou no fechamento da Rádio Cultura de Feira de Santana, que teve seu funcionamento cassado em março de 1975. A emissora foi reaberta dez anos depois, em julho de 1985.

O que motivou o fechamento da emissora, após suspensão de 15 dias, foi entrevista do então deputado federal Francisco Pinto, feita pelo radialista Lucílio Bastos

A fala de Pinto virou peça do processo contra ele, movido pelo ministro da Justiça Armando Falcão, baseado na Lei de Segurança Nacional.

A publicação trata sobre Francisco Pinto ter cumprido seis meses de prisão especial no quartel do 1º Batalhão de Polícia Militar de Brasília e sobre as inúmeras visitas que recebeu mais a greve de fome que fez.

A obra é resultado de pesquisa feita a partir de material disponível no Arquivo Nacional, instituição que é responsável pela preservação e difusão de documentos da administração pública federal. Também são reproduzidos registros da imprensa sobre o episódio histórico. Reproduções de fotos e fac-símiles integram galeria de imagens.

Como é dito na apresentação do livro, feita por Thomas Oliveira: "Os próprios fatos que compõem o livro falam por si. Não existe tomada de posição do organizador, que tão somente traz à luz documentos que estiveram como confidenciais, secretos e sigilosos".
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook