Analytics

menu

Image Map

terça-feira, 13 de novembro de 2018

MPF aponta fraude de R$ 2,2 milhões em hospital e denuncia 8 suspeitos; tomógrafo velho foi comprado para desviar dinheiro

Foto: Ilustrativa
O Ministério Público Federal (MPF) informou, nesta terça-feira (13) que denunciou oito pessoas por suspeita de envolvimento em um esquema criminoso envolvendo fraudes a licitações e desvio de R$ 2,2 milhões no Hospital de Base Luiz Eduardo Magalhães, em Itabuna, no sul da Bahia.

Conforme o órgão, os crimes ocorreram nos anos de 2007 e 2008. A unidade de saúde é gerida pela Fundação de Atenção à Saúde (FASI). De acordo com a denúncia, de autoria do procurador da República Gabriel Pimenta Alves, em diversas licitações realizadas pelo hospital, o diretor Raimundo Vieira da Silva “aumentava exorbitantemente a quantidade de materiais hospitalares a ser adquirida pelo Fasi/Hospital de Base, sem incremento na quantidade de pacientes, funcionários ou procedimentos médicos.” Ainda de acordo com a denúncia, em seguida, o sobrinho do diretor, Oberdan Silva Almeida, que era chefe do almoxarifado e também foi denunciado, atestava o recebimento de bens não entregues.

O coordenador médico do hospital na época em que segundo o MPF as fraudes ocorreram, Ricardo Sérgio Balduíno da Silva Rosas, também denunciado pelo órgão, é suspeito de ter participado de licitação simulada para venda de aparelho tomógrafo de propriedade de sua empresa. O MPF disse que, mesmo com a empresa tendo sido inabilitada na licitação por não apresentar os documentos exigidos, o contrato foi assinado para venda do aparelho, com valor acima do mercado. Segundo a denúncia, a compra do tomógrafo pelo hospital público teve a finalidade de desviar recursos públicos, pois não estava em condições de uso, em razão do péssimo estado de conservação.

O MPF informou que requer a condenação dos suspeitos por crimes como fraude em licitação e peculato, cuja pena é de reclusão, de dois a 12 anos, e multa. O MPF requer, ainda, a fixação do valor mínimo de prejuízo ao erário no montante de R$ 2.233.100,00, corrigido monetariamente.

Caso a denúncia seja recebida pela Justiça Federal, os réus serão citados para apresentação de defesa inicial. Ricardo Sérgio Balduíno da Silva Rosas negou as acusações e informou que nunca participou de nenhum processo de licitação no hospital. A reportagem não consegui contato com os demais denunciados.

Fonte: G1
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook