Analytics

terça-feira, 4 de junho de 2019

Árbitra é agredida por estudante após dar cartão vermelho em partida de futsal

Foto: Reprodução
A árbitra Eliete Maria Fontenele foi agredida a socos por um estudante da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), enquanto apitava uma partida de futsal durante campeonato na instituição, na última segunda-feira (3). Após uma confusão generalizada entre jogadores de ambos os times que culminou em uma briga, a árbitra puniu três jogadores com o cartão vermelho. Um deles, se descontrolou e desferiu diversos socos no rosto de Eliete.

Da arquibancada, um outro estudante gravou o vídeo do momento exato da agressão, que circulou e causou revolta nas redes sociais. Com o ataque, a ábitra teve a boca ferida e chegou a cair no chão. De acordo com informações do G1, Eliete Maria foi a uma delegacia onde prestou um boletim de ocorrência e passou por exame de corpo de delito. “Eu estava com o cartão e ele bateu na minha mão. No momento em que ele bate na minha mão, se eu não puxasse o cartão para ele, ia perder minha autoridade toda do jogo.

Aí eu puxei e dei o vermelho [para ele] também. No momento em que eu dei o vermelho, ele me puxou e eu dei um passo. O primeiro [soco] desviou, mas o segundo e terceiro que foram fortes, que quando ele me deu eu caí no chão”, relatou Eliete ao G1. Até a manhã desta terça-feira (4), o suspeito ainda não havia sido encontrado. Após o crime, ele fugiu do campus da universidade.

A sua identidade não foi revelada. Na profissão há mais de 20 anos, Eliete conta que foi a primeira vez em que foi agredida em uma partida. Ela defendeu que qualquer árbitro ou árbitra que passe pela mesma situação, não tema em fazer a denúncia: “O recado que eu posso deixar é: quando for agredido árbitro ou qualquer mulher, nunca deixe de vir denunciar, porque é a melhor coisa. Você fica com a alma limpa, porque se eu não fizesse isso, eu não ia dormir. Porque eu ia ficar com medo de andar nos lugares. Eu tenho minha vida também, que eu vivo, e aí eu não posso afetar isso. Mas quero também respeito para mim e segurança. Eu quero justiça”, disse.

Fonte: Forte na Notícia
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook