Analytics

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

Ministério da Saúde diz em rede social que não há remédio que previna ou cure a Covid-19, mas apaga post

Foto: Reprodução
O Ministério da Saúde escreveu em sua conta no Twitter nesta quarta-feira (18) que não existem remédios ou outras substâncias que previnam ou curem a Covid-19. O ministério acrescentou que a “maior ação” contra o vírus são o isolamento social e a adoção de medidas de proteção individuais. 

Cerca de uma hora depois, apagou a mensagem. O post do ministério era uma resposta a uma usuária que comentou outro texto da pasta, que falava sobre a importância de a população procurar uma unidade de saúde após identificar sintomas da doença. “Olá! É importante lembrar que, até o momento, não existem vacina, alimento específico, substância ou remédio que previnam ou possam acabar com a Covid-19.

A nossa maior ação contra o vírus é o isolamento social e a adesão das medidas de proteção individual”, dizia a postagem do ministério. Questionado, o Ministério da Saúde não havia respondido, até a última atualização desta reportagem, por que o texto foi apagado. A postagem contrariava os métodos defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia. 

Assim que os primeiros casos de Covid-19 começaram a ser registrados no país, Bolsonaro se posicionou contra as medidas de isolamento social, adotadas por governos estaduais e municipais a partir de orientações de autoridades sanitárias internacionais. Nesta quinta, na cidade de Flores de Goiás, Bolsonaro fez um discurso para agricultores no qual voltou a criticar o isolamento. 

“Graças a vocês, que não pararam, nós da cidade continuamos sobrevivendo. Se o ‘fique em casa e a economia a gente vê depois’ fosse aplicado no campo, teríamos desabastecimento, fome, miséria e problemas sociais”, afirmou Bolsonaro. O presidente também tem defendido, ao longo de toda a pandemia, o uso de medicamentos que, segundo ele, curam a doença. Não há nenhuma comprovação científica da eficácia dos remédios. Um desses remédios propalados por Bolsonaro é a hidroxicloroquina, mas estudos feitos em diversos países não atestaram nenhum efeito positivo do medicamento.


Fonte:  G1
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook