Analytics

segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

Cresce pressão pela prioridade de vacina a professor no Brasil

Foto: Reprodução 
A proximidade da vacina e a limitação de doses trazem ao Brasil o debate mundial sobre quem deve ser o primeiro a receber a imunização: os que têm mais risco de morte ou os trabalhadores considerados essenciais, com mais chance de contrair e transmitir o coronavírus? Há certo consenso de que idosos e profissionais de saúde sejam prioritários.

Mas a crise educacional causada pela pandemia tem feito com que os professores sejam apontados como os próximos na lista, destaca o Estadão. Disputas políticas e a falta de um real plano nacional para a vacina, no entanto, devem fazer com que os profissionais da educação – e todos os outros que não podem fazer home office e são fundamentais para a sociedade funcionar – não sejam vacinados tão cedo. 

Na programação do Ministério da Saúde, que foi entregue sexta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF), os professores de ensino básico e superior entrariam na quarta fase da campanha. São 2,3 milhões, o maior grupo entre os 3,2 milhões de profissionais essenciais. Incluem ainda policiais, bombeiros e funcionários do sistema carcerário. Não há data para receberem a vacina. 

No plano do Estado de São Paulo, não existe menção aos professores, mas o Estadão apurou que integrantes do próprio governo têm pedido a priorização. A vacina permitiria uma volta às aulas presenciais mais segura e efetiva. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, eles podem ser vacinados ainda no primeiro semestre. Entre os principais objetivos da imunização para covid, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), estão a redução de mortes e a continuidade dos serviços essenciais em um país. 

A OMS não fez um ranking sobre quais grupos devem ser vacinados antes. Só listou prioridades: idosos, pessoas com comorbidade, as que vivem em residência de longa duração, trabalhadores da saúde e da indústria alimentícia, professores, policiais, motoristas de transporte público, líderes governamentais. Ficou para os países a tarefa de escolher os primeiros da fila.

A maioria colocou idosos e profissionais de saúde na frente. A primeira pessoa vacinada no Reino Unido foi Margaret Keenan, de 90 anos. Professores e outros trabalhadores estão na segunda fase britânica. A Rússia foi a única, por enquanto, a incluir os docentes na primeira etapa. Nos Estados Unidos, com a aprovação da vacina da Pfizer na sexta-feira, são esperadas as novas recomendações sobre prioridades. Profissionais de saúde e moradores de instituições para idosos devem vir primeiro. Educadores pressionam para serem os próximos.


Fonte: O Estado de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook