Diário da Notícia | Recôncavo Baiano - Rubem Júnior
Foto: Reprodução
O chamado ‘kit covid’ ou tratamento precoce, que consiste em uma combinação de medicamentos até então apontados como ineficazes ou ainda em fase de pesquisa, vem sendo distribuído em empresas e recomendado por médicos em consultórios como forma de prevenir ou diminuir a carga viral pelo coronavírus.

O kit é composto por medicamentos como a ivermectina, azitromicina, vitamina C, zinco, Vitamina D, entre outras substâncias. No entanto, de acordo com o médico hepatologista Fábio Vosqui, que atua em Feira de Santana, ainda não existem medicamentos que comprovadamente previnem a covid-19, conforme também já foi divulgado por diversas organizações de saúde e cientistas de todo o mundo.

Segundo ele, o uso da ivermectina, por exemplo, está sendo associado ao surgimento de problemas hepáticos (fígado) em pacientes que fizeram uso dessa medicação para prevenir a covid. “É muito frequente a gente atender casos de alterações tóxicas e começaram a surgir casos de alterações das enzimas hepáticas em pacientes com processos inflamatórios por pessoas que se expuseram ao kit covid. 

Não existe recomendação e não tem nenhum trabalho que valide o uso da ivermectina na prevenção do coronavírus e também não existe nenhum trabalho que valide o seu uso no tratamento."



Fonte: Acorda Cidade

Facebook