Analytics

menu

Image Map

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Delegado afirma que assassinato do Padre Francisco foi premeditado

Foto: Reprodução
Mesmo sem informações mais precisas sobre a relação do padre Francisco Carlos de Souza, morto no último dia 5, com os seus assassinos, Robson Sousa Oliveira, 26 anos, e André Ferreira do Amaral, 28, a polícia já conclui que o crime foi premeditado. Durante a apresentação dos acusados na manhã de segunda (13), o delegado Marcelo Sansão, na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou: “As ligações nos levam a acreditar que o local já tinha sido estudado. A forma de prática do crime, tudo isso já nos leva a crer e nos traz um grau de certeza de premeditação”.

Conforme informações do Correio, na apresentação, os suspeitos quase não falaram com a imprensa. Robson apenas disse que “não recebia nada” do padre e que não o conhecia. “Eu não fiz nada”, declarou. André preferiu se calar.

Em depoimento, os acusados disseram à polícia que a suspensão do pagamento da mesada teria sido o motivo do crime. “Eles negam a vinculação de um relacionamento como motivação, mas trazem a questão financeira como um fator motivador”, pontuou o delegado. O dinheiro que foi sacado pelo padre no dia de sua morte ainda não foi encontrado – o valor não foi divulgado.

A polícia ainda não sabe se parte da mesada que o padre dava a Robson era repassada a André. A participação de uma terceira pessoa foi descartada. A atuação dos dois na execução já ficou esclarecida; Robson teria atraído o religioso ao terreno em Stella Maris e segurado a vítima, André seria o autor dos 18 golpes de chuço (arma artesanal) em padre Francisco.

Segundo a polícia, Robson informou que conheceu o padre dois meses atrás, na mesma região onde ocorreu o crime. “Mas acreditamos que tenha mais tempo, por tudo que foi coletado nos autos”, ponderou o delegado. O local é perto do Centro de Formação de Líderes da Igreja Católica, onde Francisco fazia celebrações esporadicamente.

O carro do padre Francisco, um Fox prata, chegou a ser vendido por R$ 3 mil, mas a dupla desistiu do negócio e incendiou o veículo. O veículo foi encontrado no povoado de Orojó, em Igrapiúna, Sul do estado.

Por conta da ausência de detalhes sobre a relação entre a vítima e os dois acusados, especialmente Robson, a polícia vai voltar a colher depoimentos. A Arquidiocese de Salvador informou, por meio de sua assessoria, que só vai se pronunciar sobre o caso depois que o inquérito for encerrado.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...