Analytics

menu

Image Map

sábado, 20 de outubro de 2018

Escândalo do WhatsApp: Documento confirma oferta ilegal de mensagens na eleição

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
E-mails e a proposta de um contrato confirmam o esquema denunciado pela Folha de S. Paulo, de oferta de disparos em massa de mensagens por WhatsApp a campanhas políticas (leia aqui), utilizando base de usuários de terceiros, prática vedada pela eleitoral. 

Em reportagem publicada neste sábado (20), o jornal mostra que a empresa Croc Services formalizou proposta de R$ 8,7 milhões à campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência, usando nomes e números de celulares obtidos pela própria agência, e não pelo candidato. A publicação obteve a oferta de contrato feita pela empresa, com data de 30 de julho, que mostra diversas opções de disparos de mensagens por WhatsApp, com pagamento a ser feito até três dias antes da ação. 

De acordo com a reportagem, o coordenador da área digital da campanha de Alckmin, Marcelo Vitorino, negou que a campanha tenha comprado o serviço usando base de terceiros. Segundo ele, o PSDB usou apenas telefones de militantes e membros do PSDB e de apoiadores que forneceram dados nas redes do candidato —o que não é ilegal. 

Foram desembolsados R$ 495 mil pelos disparos, a R$ 0,09 cada um. Pedro Freitas, sócio-diretor da Croc, afirmou não saber que a prática era ilegal. Ele disse que só prestou serviços para a campanha de Romeu Zema (Novo) ao governo de Minas, que gastou R$ 365 mil, e de Alckmin, com a base fornecida pelos partidos —Zema também diz que só comprou serviços com dados próprios. A Folha denunciou na quinta que o mesmo esquema estava sendo montado por empresários para favorecer a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), ao disseminar mensagens negativas contra Fernando Haddad (PT). A Polícia Federal e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vão investigar o caso.

Fonte: Bahia Notícias
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook