Analytics

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Falta de bonecas negras leva baiana a criar linha de brinquedos afirmativos: 'Ferramentas de construção de identidade'

Foto: Arquivo Pessoal/Amora Brinquedos Afirmativos
"Procuram-se bonecas pretas, procura-se representação". O refrão da música cantada pela baiana Larissa Luz reflete a escassez de representatividade no mercado infantil, que foi o pontapé para a criação da Amora Brinquedos Afirmativos, iniciativa da designer baiana Geo Nunes.

Para desenvolver uma ação social de Dia das Crianças, em Salvador, ela foi atrás de brinquedos que representassem as crianças da capital mais negra do país, mas não achou o suficiente. "Encontrei na loja de brinquedos, entre centenas de bonecas e dezenas de prateleiras, apenas uma boneca preta. Um modelo que não tinha roupa, apenas uma fraldinha colorida.

Para as bonecas loiras, havia fadas, médicas, dançarinas e diversas outras. Então, a sementinha foi plantada em outubro de 2015 e ficou germinando, mas o projeto surgiu, de fato, em 2016". Geo explica que os brinquedos da Amora partem de uma necessidade social de reafirmar a identidade da criança que tem acesso ao objeto.

"A pergunta que fica sempre é por que que os brinquedos, que são uma das primeiras ferramentas de construção de identidade oferecidas para o indivíduo ainda na infância não versam sobre a diversidade do nosso país? Por que se insiste em universalizar uma tez como sendo a única existente quando temos diversas tonalidades de pele?", questiona Geo.

Fonte: G1
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook