Analytics

menu

Image Map

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

General Heleno defende direitos humanos para 'humanos direitos'

Foto: Agência Brasil
Indicado como futuro ministro da Defesa no governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Augusto Heleno afirmou nesta quarta-feira (31), que a transição já começou, que o País está "deixando a desejar" no combate à criminalidade e que, atualmente, há uma certa "inversão" na discussão sobre direitos humanos no Brasil. "Direitos humanos são, basicamente, para humanos direitos. Essa percepção, muitas vezes, não tem acontecido. Estamos deixando a desejar nesse combate à criminalidade", disse o general Heleno durante entrevista à Rádio Eldorado.

O aliado de Bolsonaro declarou ainda que, no Brasil, não há um progresso na redução da criminalidade nem na contenção do crime organizado. Para o general, é fundamental respeitar os direitos humanos na resolução desses problemas, mas, segundo ele, existe uma "inversão de valores nessa história". Heleno afirmou que o tema dos direitos humanos é de "alta relevância", mas que a necessidade de existir um ministério para o assunto é algo discutível. "Se mudar a estrutura, não vai mudar sua importância." Segundo o general, é preciso mudar a visão estratégica do problema da segurança. Questionado sobre a manutenção da intervenção federal no Rio, Heleno disse que a decisão cabe ao presidente eleito. "É um assunto a ser discutido. Vai ser objetivo de conversa entre o novo governador (Wilson Witzel, do PSC) e o presidente."

'Exceção' O general da reserva avaliou que, com o uso das tropas federais, a situação se converteu em um problema de segurança nacional. "Não podemos aceitar que caminhemos pouco a pouco para virar um 'narcopaís' - o número de homicídios que temos no Brasil, o maior consumidor de crack do mundo, o segundo de cocaína, o maior local de passagem de droga do mundo. É uma série de títulos que não orgulha um povo. É um absurdo tratar isso como situação normal. É situação de exceção que merece tratamento de exceção", afirmou. Para ele, o Brasil vive hoje uma crise moral, ética, econômica e social, e está à beira do abismo, com a economia "caótica", e que, para sair dessa situação, é preciso que os governantes também deem bons exemplos. "O governo tem que se pautar em três pilares: honestidade, transparência e austeridade. E esses precisam se apoiar no exemplo.

" Sobre a possibilidade de assumir o Ministério da Defesa, Heleno disse que seria uma honra e uma realização profissional, mas afirmou que prefere que a confirmação seja feita por meio de decreto no Diário Oficial da União. "Já tenho idade para não ficar alimentando nada que não seja concretizado." O general Heleno disse ainda que a pasta tem estrutura sólida e foi uma das menos afetadas pelas gestões dos últimos governos, as quais qualificou como "catastróficas". Segundo ele, a influência político-partidária não foi capaz de modificar as diretrizes do Ministério da Defesa. Entre os desafios do novo ministro, o aliado de Bolsonaro citou o aumento da integração entre as Forças e a luta por orçamento, "tendo consciência das restrições". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Tribuna da Bahia
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook