Analytics

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

Pandoras: turnê virtual de circo feminista chega à Cachoeira

Foto: Divulgação

Coletivo formado por três artistas goianas percorrerá as cidades baianas de Cachoeira, Alagoinhas, Salvador e Ilha de Itaparica com exibições de espetáculos e ciclo de debates sobre ser mulher na arte e no Brasil.

Depois de passar por nove cidades nos estados de Goiás, Tocantins e Mato Grosso do Sul, o COLETIVO PANDORAS chega à Bahia para encerrar a sua primeira turnê virtual, experimentando uma nova forma de promover circulação de artes cênicas no país. Distantes do eixo sul-sudeste, que concentra as iniciativas culturais com maior visibilidade, as artistas Radarani Oliveira, Izabela Nascente e Fernanda Pimenta recriaram os espetáculos Pastrana e A Visita de Chico para uma rede de exibições que, além de democratizar o acesso à produção cultural no interior do país, promove discussões sobre o papel político e social do circo e da mulher na arte e fora dela. A primeira cidade baiana a receber as Pandoras é Cachoeira, no Recôncavo Baiano, que terá o evento transmitido pelo canal do Cine Teatro Cachoeirano no Youtube, no dia 07 de novembro (sábado), às 20h, com acesso gratuito.

Pastrana é um espetáculo de lambe-lambe que se apropria da história da Monga - A Mulher Gorila, muito popular em feiras e circos Brasil afora, para sintetizar a história de Júlia Pastrana e questionar o padrão de beleza feminino imposto pela sociedade. Já “A Visita de Chico” remonta o imaginário da mulher moderna, que lida com a vida cotidiana e recebe a inesperada e apaixonante visita de Chico, momento em que tem que dar conta de um amor, que é uma representação, e da sociedade, que não aceita o corpo feminino como ele é. 

“Fizemos isso como uma forma de resistência a este modo de subjetivação do feminino, apontando para o entendimento que ser mulher é também ser desajustada, engraçada, questionadora e política”, comentou Radarani, artista circense, palhaça e intérprete da Soldara, personagem protagonista em A Visita de Chico.

Após a exibição dos espetáculos, acontecerá um debate com o tema “Cultura e Política: Mulheres na Ativa”, que contará com as participações da cantora e atriz Nina Soldera, gaúcha que vive há 20 anos em Goiânia, e que possui uma trajetória de militância nos movimentos estudantil, negro e de mulheres; da socióloga, ativista e comunicadora Aava Santiago, que coordena o Núcleo de enfrentamento à violência doméstica da Assembleia de Deus Pedro Ludovico; e da historiadora e ativista Mariana Lopes, coordenadora de Mulheres da Direção Nacional da Fasubra, em Goiânia.A mediação ficará por conta de Marci Dornelas.

Na Bahia, o projeto passará ainda por mais três cidades no mês de novembro: Alagoinhas, no dia 14; Salvador, no dia 21; e, encerrando a turnê, Ilha de Itaparica, no dia 28. Nestas cidades, os eventos serão transmitidos, respectivamente, pelos canais no Youtube do Festival de Artes de Alagoinhas (FESTA), da Casa Preta, e da Trupe RAIS. 

O projeto é uma realização do Coletivo Pandoras, correalizado pela Cultivo Projetos e Soluções Criativas e Círculo Filmes, com apresentação do Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás, Secretaria de Estado da Cultura.

Sobre os espetáculos

A recriação dos espetáculos para a circulação virtual contou com a correalização da Círculo Filmes, produtora audiovisual baseada no Tocantins, e da Cultivo Projetos e Soluções Criativas, com sede em Minas Gerais. As obras dialogam entre si por trazerem a figura da mulher em primeiro plano, discutindo mitos populares e feminilidade pelo lado de dentro.

Em Pastrana, o truque original da Monga, personagem que se transforma em gorila por conta de um efeito ótico de luz é desconstruído, invertendo a ordem das imagens e dos signos. Ao invés de começar com a mulher se transformando na monga, na caixinha de lambe-lambe, Júlia, a mulher gorila, se transforma em uma ‘monstra’ dentro dos padrões sociais: moça, branca, loira e com os seios siliconados, performando o ‘padrão europeu’. 

“Para construir o roteiro, houve a adaptação da tradicional narração da performance e a inversão da figura do monstro, que questiona os padrões voltados para as exigências relativas ao corpo da mulher. A escolha em desenvolver uma circulação artística com enfoque no feminino é potencializar questões referentes ao papel social e artístico da mulher com graça e leveza. Apesar de se tratarem de temas densos e complexos, ambos os espetáculos são cômicos, interativos, e exibem as técnicas circenses como o malabarismo, contorção, mágica e acrobacias para proporcionar uma abordagem libertária, reveladora e contestadora, trazendo elementos que retratam a erotização da mulher no circo e na sociedade, e desconstruindo essa perspectiva através do ridículo”, disseram as autoras. 

Já o espetáculo “A Visita de Chico” mescla circo com a história de Soldara, uma palhaça que se veste de homem para ganhar a vida como artista de circo. Ao final de cada apresentação, Soldara retorna à sua casa, emaranhada às exigências da profissão, do corpo e dos projetos de vida, contudo, com seus encantos e desajustes, segue a pacata vida com imaginação. É quando conhece Chico e se apaixona, mas o tenro romance é acometido por uma circunstância indesejada, da qual Soldara se envergonha e foge.  A trama é tecida pela aceitação, pelo desajuste e pelo ridículo enfrentamento da mulher, que precisa lidar com a natureza de seu corpo feminino em uma cultura e sociedade que não o enxergam bem. 

SERVIÇO – COLETIVO PANDORAS: TURNÊ VIRTUAL

Quando: 07 de novembro (sábado) – 20h

Onde: Canal do Youtube do Cine Teatro Cachoeirano

Link dos espetáculos:https://youtu.be/fcqveAqrxfE

Link do debate: https://www.youtube.com/watch?v=P8ASzGZRpvA

Acesso:Gratuito

Mais informações: projetopandoras.com.br

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook

cf

cf