Foto: Reprodução
Um estudo realizado pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo (USP) indica que, durante a pandemia, 19,7% deles tiveram um aumento de ao menos 2 kg em seu peso, enquanto 15,2% dos participantes viram uma redução nos números da balança. 

A pesquisa acompanhou 14,2 mil pessoas. Segundo o endocrinologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Paulo Rosenbaum, a pandemia complica a situação de obesidade das pessoas, pelo confinamento e restrição de atividade física, além do aumento de ingestão alimentar. 

“As incertezas do cenário atual também têm contribuído para o aparecimento de sintomas psicológicos, como ansiedade e depressão, que podem piorar uma compulsão alimentar, por exemplo”, afirma o médico. Thank you for watching Publicada na Revista de Saúde Pública, a pesquisa mostra também que o aumento de peso está associado a pessoas de escolaridade mais baixa.

Uma das possíveis razões apontadas é o menor acesso dessa população a produtos frescos, além de uma maior exposição à publicidade de alimentos pouco saudáveis. Por outro lado, os autores sugerem que os indivíduos mais escolarizados tenham desenvolvido hábitos mais saudáveis, uma vez que têm à disposição um maior tempo para preparar suas refeições, ou possuem mais conhecimento sobre a importância da boa alimentação para a imunidade. 

O estudo também indicou que, entre pessoas que já apresentavam sobrepeso antes da pandemia, há pouca diferença entre a proporção de pessoas que ganharam e perderam peso nesse período —22,7% e 21,4%, respectivamente. A obesidade é uma doença crônica, caracterizada pelo excesso de gordura corporal a níveis que prejudicam a saúde do indivíduo.

Em muitos casos, ela está associada a comorbidades como diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Pacientes com obesidade apresentam mais risco de severidade ao contrair a covid-19. Isso ocorre porque esses indivíduos possuem uma alteração na imunidade, com maior predisposição para infecções. 

Além disso, o tecido adiposo, que armazena gordura no corpo, pode atuar também como um reservatório para o vírus, uma vez que há uma maior expressão da enzima ECA2, que se liga com a proteína spike do Sars-Cov-2 e facilita a entrada do vírus na célula.


Fonte: Voz da Bahia

Postagem em destaque

Facebook