Foto: Divulgação
A licença definitiva para operar como porto no escoamento de minério de ferro foi obtida nesta quarta-feira, 7, por parte do complexo naval, industrial e logístico do Estaleiro Enseada, em Maragojipe. A concessão permite a operação como porto no escoamento de minério de ferro, ampliando os negócios para além do setor naval e industrial.

O ato ocorreu na sede do Ministério da Infraestrutura, em Brasília. O evento contou com a participação do Ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas, do Ministro da Cidadania, João Roma, do Diretor Presidente da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Eduardo Nery, do Diretor Presidente do Enseada, Maurício Almeida, dentre outras autoridades.

Emitido pela Antaq, o documento tem validade de 25 anos e prevê que o Enseada armazene e movimente granéis minerais (minério de ferro), cargas gerais e equipamentos de grandes dimensões, a exemplo de torres e pás eólicas, além de ampliar a área do terminal portuário para 740 mil metros quadrados, transformando o Enseada em um dos maiores portos em operação do Nordeste.

“É um passo relevante para o desenvolvimento do estado da Bahia. Isso sinaliza parcerias legítimas, investimentos transparentes e republicanos que vão, sem dúvida nenhuma, interferir no desenvolvimento de todos os municípios da região. Isso é marcante para influir no nosso PIB, mas em especial vai dar esperança para pais e mães de família”, ressaltou João Roma, em discurso durante o evento.

“Um projeto que inicialmente simbolizava a retomada de um setor, mas que todos conhecem a história e os percalços que resultaram em muitas notícias não muito agradáveis em outros períodos desse país. Não queremos mais que retornem e, sem dúvidas, isso fez com que um grande investimento ocorresse no local onde simboliza toda uma rota de desenvolvimento”, acrescentou.

Além do terminal de Maragojipe, foram assinados também contratos para terminais localizados nas cidades de Aracruz (ES), Barcarena (PA), Itaguaí (RJ), Itaituba (PA), Jaguarão (RS), Manaus (AM), Santana (AP) e São Luís (MA). Por ano, mais de 60 milhões de toneladas de carga sólida devem circular por esses TUPs, segundo informações do Ministério da Infraestrutura.

Leia também - Maragogipe: Prefeito e vice buscam apoio de prefeitos e políticos para implantação da BR do Mar; empreendimento deve gerar mais de 1500 empregos

Entre os prefeitos baianos, estiveram presentes Eunice Peixoto, de Nazaré; Antonio Marcos Araujo de Souza, de Aratuípe; Ednaldo Ribeiro, de Cruz das Almas; Jose Elias Das Virgens Oliveira, de Itaparica; Genival Deolino, de Santo Antônio de Jesus; Marcus Vinicius, de Itaparica; e Maguila, de Correntina. Também participou o ex-prefeito de Nazaré Isaque Peixoto.

Eficiência operacional

O Terminal de Uso Privado do Enseada (Tup Enseada) fica localizado em Maragogipe, no Recôncavo Baiano, e possui águas abrigadas, calado profundo e localização privilegiada, o que garante segurança e eficiência superiores em movimentações de cargas. A infraestrutura portuário teve início nas operações em 2020. Desde então, com menos de um ano, já armazenou e movimentou 308 mil toneladas de minérios oriundos de minas da Bahia.

"Foram sete carregamentos de 44 mil toneladas cada realizados com pleno êxito por nossa equipe, o que já nos coloca como o maior porto de minério em operação na Bahia", revelou Mário Moura.

Ampliação dos negócios

Nos últimos anos, o Enseada passou por um reposicionamento estratégico, onde ampliou sua atuação para além da vocação naval e industrial. Atualmente, a empresa baiana oferece soluções integradas de engenharia para projetos navais e 'offshore', industriais e logísticos-portuários.

De acordo com o presidente do Enseada, Maurício Almeida, empresa mantém sua vocação de construção de projetos offshore e industriais. No entanto, agora também passa a atuar no segmento portuário, tornando-se um 'player' relevante para o setor. A licença marca a conclusão de um longo processo de quase três anos de trabalho com foco na diversificação dos negócios da empresa, para além do setor de construção naval e offshore.

"Reposicionamos a companhia e no meio de uma grave pandemia voltamos a contratar e gerar renda. Hoje oferecemos nossas instalações para a indústria nacional, em uma agenda industrial convergente e competitiva, que resultará em criação de valor para nossa empresa e clientes. Além disso, implementará uma nova rota para exportação das comodities da Bahia gerando desenvolvimento e oportunidades para a região do recôncavo. Tudo isso com segurança jurídica, sólida governança e uma forte política de sustentabilidade que nos diferenciam", resumiu Almeida.

Facebook