Foto: Reprodução
Christian Emmanuel Sanon, um pastor e médico, está sendo apontado pelas autoridades do Haiti como o principal suspeito pelo assassinato do presidente do país, Jovenel Moise. Sanon, 62 anos, nasceu no Haiti mas possui cidadania norte-americana. 

Ele vive nos Estados Unidos desde 1970, e agora está sendo acusado de matar o presidente Moise, que morreu no dia 07 de julho. No entanto, o pastor se diz inocente da acusação, e muitas pessoas que o conhecem têm se manifestado para repudiar a suspeita: “É óbvio que ele está sendo incriminado”, disse seu irmão, Jean Sanon, numa entrevista recente concedida em West Palm Beach, Flórida (EUA). 

Uma fonte mantida em sigilo disse à emissora CNN que Sanon foi preso no último fim de semana durante uma operação policial em um bairro no topo de uma colina na capital Porto Príncipe, a poucos passos da residência do primeiro-ministro em exercício, Claude Joseph, que atualmente lidera o país.

A polícia encontrou caixas de munição e coldres para rifles e pistolas, 24 alvos de tiro não utilizados, um boné com a etiqueta “DEA” [agência de combate às drogas dos EUA] e quatro placas da República Dominicana dentro de um complexo com uma placa que dizia “International Medical Village” na porta.

A fonte disse à CNN que durante a operação, Sanon disse à polícia que não tinha conhecimento do ataque ao presidente Moise e que não tinha ideia de que as armas encontradas pela polícia estavam na propriedade. Ele afirmou ainda que era um pastor cristão e que a propriedade não era dele, segundo informações do portal The Christian Post.




Fonte: Voz da Bahia 

Facebook