Analytics

menu

Image Map

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Homem acusado de intolerância religiosa contra integrantes de terreiro é julgado em fórum de Lauro de Freitas

Foto: Reprodução
Um homem acusado de intolerância religiosa contra integrantes de um terreiro em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, é julgado nesta quinta-feira (8). Este será o primeiro caso de intolerância religiosa que vai a julgamento no município da região metropolitana.

Não há previsão do término do julgamento, realizado no fórum da cidade O Terreiro, que existe desde 2004, é liderado pelo Babalorixá Vilson Caetano. Segundo ele, o templo religioso foi alvo de acusações de um homem que mora próximo e que teria se dirigido ao terreiro, agredindo a religiosidade dos integrantes do grupo. Vilson contou que, após 10 anos do terreiro, em março de 2014, o acusado foi até o local e disse que a casa desvalorizava os imóveis do entorno, porque ninguém quer ser vizinho de uma casa de Candomblé.

E pediu, ainda: "Reveja a ideia de tornar público o Candomblé através de uma fachada". "Esse ato de ódio, violência e racismo partiu inicialmente dele. A nossa relação com os outros vizinhos é uma relação cordial. Aqui não há um fluxo contínuo de pessoas, de festas, mas o racista vai contaminando outras pessoas", relatou Vilson. Após quatro meses da "visita" do homem, o terreiro passou a ser alvo de denúncias nos órgão do município de Lauro de Freitas e no Ministério Público Estadual, contou Vilson.

No total, no período de cinco anos, foram mais de dez denuncias e duas representações no MP, todas indeferidas. Entre as denúncias feitas pelo homem, estão utilização de propaganda no imóvel sem licença (refere-se ao nome do terreiro na fachada), suposta criação de animais no local, produzindo mau cheiro provocado pelas fezes e restos de comida, além do cheiro frequente de cozimento das comidas típicas da religião em horários diurnos e noturnos.

Artista plástico, responsável pelas obras do terreiro, Rodrigo Siqueira acredita que esse comportamento revela um problema histórico da sociedade. "Eu enxergo esses ataques como uma violência contra a humanidade, contra a história do negro africano. Não só no Brasil, mas também na sua história humana", disse Rodrigo. Atualmente, o Código Penal prevê multa e detenção de um mês a um ano, para quem pratica intolerância religiosa.

Na Bahia, de acordo com a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), entre 2017 e 2018, houve um aumento de 124% desse tipo de crime. De primeiro de janeiro até este mês de agosto, foram registrados 84 casos, sendo 27 de intolerância religiosa. O presidente da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro Ameríndia (AFA), Leonel Monteiro, também falou sobre o caso. "É preciso também observar que as pessoas passaram a denunciar mais.

As pessoas têm o direito de professar sua fé conforme preconiza a Constituição Federal, e tantos os órgãos públicos como qualquer cidadão tem que respeitar isso", explicou Monteiro.

Fonte: G1
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Facebook